logotipo tvi24

PAULO PORTAS APRESENTOU A DEMISSÃO

Devido à escolha de Maria Luís Albuquerque para as Finanças

Por: Redacção    |   2013-07-02 16:18

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou a demissão esta terça-feira, avançou a TVI.

A decisäo «é irrevogável», adianta Portas em comunicado.

Paulo Portas contesta a escolha de Maria Luís Albuquerque para a pasta das Finanças, depois de a saída de Vitor Gaspar, com quem tinha «conhecidas diferenças políticas», «permitir abrir um ciclo político e económico diferente», sublinha o líder do CDS/PP.

«A escolha feita pelo primeiro-ministro teria, por isso, de ser especialmente cuidadosa e consensual.(...) Expressei, atempadamente, este ponto de vista ao primeiro-ministro que, ainda assim, confirmou a sua escolha [de Maria Luís Albuquerque]. Em consequência, e tendo em atenção a importância decisiva do Ministério das Finanças, ficar no Governo seria um ato de dissimulação. Não é politicamente sustentável, nem é pessoalmente exigível».

Leia o comunicado na íntegra

1. Apresentei hoje de manhã a minha demissão do Governo ao Primeiro-Ministro.

2. Com a apresentação do pedido de demissão, que é irrevogável, obedeço à minha consciência e mais não posso fazer.

3. São conhecidas as diferenças políticas que tive com o Ministro das Finanças. A sua decisão pessoal de sair permitia abrir um ciclo político e económico diferente. A escolha feita pelo Primeiro-Ministro teria, por isso, de ser especialmente cuidadosa e consensual.

4. O Primeiro-Ministro entendeu seguir o caminho da mera continuidade no Ministério das Finanças. Respeito mas discordo.

5. Expressei, atempadamente, este ponto de vista ao Primeiro-Ministro que, ainda assim, confirmou a sua escolha. Em consequência, e tendo em atenção a importância decisiva do Ministério das Finanças, ficar no Governo seria um acto de dissimulação. Não é politicamente sustentável, nem é pessoalmente exigível.

6. Ao longo destes dois anos protegi até ao limite das minhas forças o valor da estabilidade. Porém, a forma como, reiteradamente, as decisões são tomadas no Governo torna, efetivamente, dispensável o meu contributo.

6. Agradeço a todos os meus colaboradores no Ministério dos Negócios Estrangeiros a sua ajuda inestimável que não esquecerei. Agradeço aos meus colegas de Governo, sem distinção partidária, toda a amizade e cooperação.

Paulo Portas
Lisboa, 2 de julho de 2013

Partilhar
EM BAIXO: Portas apresenta moção que levará ao congresso do CDS [LUSA]
Portas apresenta moção que levará ao congresso do CDS [LUSA]

Ferreira Leite: Portugal não tem que agradecer «a pipa de massa»
Comentadora da TVI24 fala da luz verde do Constitucional, mas também lembra que Portugal não tem que agradecer a «pipa de massa»
Governo é desafio «para quem tem o sentido e a noção da responsabilidade»
Palavras de António Costa que inaugurou, esta quinta-feira, a sede de campanha em Matosinhos
Governo adia decisão sobre Comissário Europeu
Revelação estava prevista para esta quinta-feira
EM MANCHETE
Mais de dois mil edifícios com amianto
Levantamento feito pelo Governo foi divulgado esta quinta-feira e revela que 16% das construções estão contaminadas. Veja a lista dos ministérios com mais edifícios afetados
Ferreira Leite: Portugal não tem que agradecer «a pipa de massa»
Comissário Europeu: Governo escolheu, mas adiou decisão