logotipo tvi24

Chávez vive ou morre? Crise política na Venezuela

Oposição quer novas eleições se presidente venezuelano não tomar posse no próximo dia 10

Por: Redacção / Pedro Bello Moraes/TVI    |   2013-01-03 22:16

Aumentam os rumores de que Hugo Chávez pode estar às portas da morte, condenado por um cancro, e, com isso, a Venezuela mergulha numa crise política.

A oposição insiste que se Chávez não tomar posse como presidente no próximo dia 10 terão de ser marcadas novas eleições.

Mas os apoiantes do presidente têm outra interpretação: consideram que o vice-presidente, Nicolas Maduro, tem legitimidade para assumir os destinos do país.

A angústia de Morales, do irmão boliviano, é seguramente partilhada por milhões de outros irmãos seguidores da revolução que tem em Chávez um dos representantes máximos. Mas, na Venezuela, a oposição não invoca Deus para as soluções futuras do país. A fé da união democrática chama-se constituição do país.

Estão, assim, reunidas as condições para uma crise institucional. 10 de janeiro é o dia da tomada de posse de Chávez como presidente eleito nas eleições de 7 de outubro. No entanto, perante a insistente ausência de Chávez e a possível morte, a prioridade da oposição é esvaziar as intenções chavistas que querem colocar na presidência o vice-presidente, sem novas eleições, isto claro, se Hugo Chávez não resistir à doença que combate em Cuba.

Partilhar
EM BAIXO: Eleições na Venezuela (Reuters)
Eleições na Venezuela (Reuters)

Governo da Malásia não está «preparado» para declarar morte de passageiros
Primeiro-ministro, em entrevista à CNN, revela ainda que relatório preliminar do desaparecimento vai ser revelado ao público
Papa celebra missa em português
Missa de ação de graças ao santo José de Anchieta, canonizado a 03 de abri
Beyoncé e Ronaldo entre os 100 mais influentes do mundo
Revista «Time» destaca cantora norte-americana e futebolista português numa lista de enorme prestígio
EM MANCHETE
25 de Abril: há 40 anos foi assim
O «dia inteiro e limpo» em sons e imagens: veja aqui a cronologia das primeiras horas da revolução
Fenprof leva vinculação docente ao Constitucional
Miró: Ministério Público trava saída de quadros