logotipo tvi24

Chávez vive ou morre? Crise política na Venezuela

Oposição quer novas eleições se presidente venezuelano não tomar posse no próximo dia 10

Por: Redacção / Pedro Bello Moraes/TVI    |   2013-01-03 22:16

Aumentam os rumores de que Hugo Chávez pode estar às portas da morte, condenado por um cancro, e, com isso, a Venezuela mergulha numa crise política.

A oposição insiste que se Chávez não tomar posse como presidente no próximo dia 10 terão de ser marcadas novas eleições.

Mas os apoiantes do presidente têm outra interpretação: consideram que o vice-presidente, Nicolas Maduro, tem legitimidade para assumir os destinos do país.

A angústia de Morales, do irmão boliviano, é seguramente partilhada por milhões de outros irmãos seguidores da revolução que tem em Chávez um dos representantes máximos. Mas, na Venezuela, a oposição não invoca Deus para as soluções futuras do país. A fé da união democrática chama-se constituição do país.

Estão, assim, reunidas as condições para uma crise institucional. 10 de janeiro é o dia da tomada de posse de Chávez como presidente eleito nas eleições de 7 de outubro. No entanto, perante a insistente ausência de Chávez e a possível morte, a prioridade da oposição é esvaziar as intenções chavistas que querem colocar na presidência o vice-presidente, sem novas eleições, isto claro, se Hugo Chávez não resistir à doença que combate em Cuba.

Partilhar
EM BAIXO: Eleições na Venezuela (Reuters)
Eleições na Venezuela (Reuters)

Tubarão branco fecha praias na Austrália
«Joan of Shark» tem 4,80 metros e pesa 1,6 toneladas
Histórias da Casa Branca: Rand Paul, uma jogada arriscada
O senador do Kentucky não é o provável nomeado republicano. Mas tem leque eleitoral superior ao que teve o pai, Ron, clássico candidato libertário
Putin admite forças russas na Crimeia, mas não no leste da Ucrânia
Presidente russo diz que intervenção foi resposta à expansão da Nato no Leste da Europa
EM MANCHETE
Cavaco exige que Governo diminua sacrifícios
Presidente da República diz que «é importante que os sinais de esperança se possam concretizar»
Submarinos explicam metade da poupança do Governo
Passos apanhado nas escutas a presidente do BES Investimento