logotipo tvi24

Coreia do Norte pode ter deixado 20 mil a morrer de fome e doença

Prisioneiros comiam ratos e sapos para tentar sobreviver

Por: Redacção / CF    |   2013-09-06 13:44

Da Coreia do Norte chegam suspeitas de que 20 mil pessoas tenham sido deixadas a morrer à fome e à doença num campo destinado a dissidentes do regime que entretanto fechou.

O alerta é dado pela Comissão para os Direitos Humanos na Coreia do Norte (HRNK), com sede em Washington, nos Estados Unidos, e que se baseia em testemunhos de quem conseguiu escapar da malha apertada de Kim Jong-Un, incluindo antigos guardas do ditador ou sobreviventes dos campos e ainda com recurso a imagens satálite.

O campo encerrou no final do ano passado e tinha uma área gigante, do tamanho de Londres, descreve o «The Telegraph».

Os prisioneiros eram obrigados a comer ratos, sapos e até a procurar comida entre os dejetos dos animais. Em nome da sobrevivência.

As Nações Unidas não conseguem «furar» as fronteiras da Coreia do Norte. Kim Jong-Un limita-se a dizer, contrariando todos os relatórios, que respeita os direitos humanos.

Apesar do fecho deste campo, estima-se que mais 130 mil pessoas estejam detidas em outros campos espalhados pelo país.

Há temores de que até 20 mil podem ter sido autorizados a morrer de doença ou de fome na corrida para o encerramento do campo no final do ano passado.

Partilhar
EM BAIXO: Kim Jong-un (KCNA)
Kim Jong-un (KCNA)

Manifestação violenta em favela de Copacabana faz pelo menos um morto
Pneus foram queimados para criar barricadas e ouviram-se tiros no bairro da cidade brasileira
Acidente de comboio na RD Congo faz pelo menos 30 mortos
Comboio descarrilou próximo da ponte Katongola, na província de Katanga
EUA vão enviar 600 soldados para a Polónia e países Bálticos
«Desde a agressão da Rússia à Ucrânia, temos estado constantemente a analisar formas de tranquilizar os nossos aliados e parceiros», disse John Kirby
EM MANCHETE
Protestos violentos no Rio de Janeiro
Há registo de pelo menos um morto numa favela de Copacabana em tumulto. Imagens mostram caos a menos de mês e meio do Mundial de Futebol
«Opção do Governo é tornar definitivos os cortes temporários»
«Há limites para o que um Presidente pode dizer»