logotipo tvi24

Coreia do Norte pode ter deixado 20 mil a morrer de fome e doença

Prisioneiros comiam ratos e sapos para tentar sobreviver

Por: Redacção / CF    |   2013-09-06 13:44

Da Coreia do Norte chegam suspeitas de que 20 mil pessoas tenham sido deixadas a morrer à fome e à doença num campo destinado a dissidentes do regime que entretanto fechou.

O alerta é dado pela Comissão para os Direitos Humanos na Coreia do Norte (HRNK), com sede em Washington, nos Estados Unidos, e que se baseia em testemunhos de quem conseguiu escapar da malha apertada de Kim Jong-Un, incluindo antigos guardas do ditador ou sobreviventes dos campos e ainda com recurso a imagens satálite.

O campo encerrou no final do ano passado e tinha uma área gigante, do tamanho de Londres, descreve o «The Telegraph».

Os prisioneiros eram obrigados a comer ratos, sapos e até a procurar comida entre os dejetos dos animais. Em nome da sobrevivência.

As Nações Unidas não conseguem «furar» as fronteiras da Coreia do Norte. Kim Jong-Un limita-se a dizer, contrariando todos os relatórios, que respeita os direitos humanos.

Apesar do fecho deste campo, estima-se que mais 130 mil pessoas estejam detidas em outros campos espalhados pelo país.

Há temores de que até 20 mil podem ter sido autorizados a morrer de doença ou de fome na corrida para o encerramento do campo no final do ano passado.

Partilhar
EM BAIXO: Kim Jong-un (KCNA)
Kim Jong-un (KCNA)

Adolescente morre a tentar bater recorde
Haris Suleman tentava dar a volta ao mundo em 30 dias, mas acabou por morrer quando o avião onde seguia se despenhou no Pacífico
MH17: mais 74 caixões chegaram à Holanda
Dezenas de carros funerários esperavam os corpos no aeroporto de Eindhoven
Primeiro-ministro ucraniano apresenta demissão
Rutura na coligação está na origem da demissão de Arseniy Yatsenyuk
EM MANCHETE
BES poderá recorrer à ajuda do Estado
A TVI sabe o banco está a ponderar um reforço de capital e uma das hipóteses serão os 6 mil milhões de euros que o Estado ainda dispõe
Ricardo Salgado paga três milhões para sair em liberdade
ESFG pede proteção contra credores