logotipo tvi24

Manifestações têm sido «Carnaval mais ou menos permanente»

Belmiro de Azevedo foi o convidado do Clube dos Pensadores

Por: tvi24 / CP    |   2013-03-18 23:30

O presidente do conselho de administração da Sonae, Belmiro de Azevedo, considera que os protestos sociais têm sido um «Carnaval mais ou menos permanente», mas que a situação seria mais grave caso não houvesse essa possibilidade.

Numa sessão no Clube dos Pensadores, em Vila Nova de Gaia, que começou com a retirada da sala de um dos espectadores, Belmiro de Azevedo disse que «a época de hoje está muito longe de ser uma época de grande desastre do ponto de vista de vivência atual», pelo menos para as pessoas da sua idade, lembrando casos como as guerras ocorridas no século passado.

«Temos sido engenhosos para fazer essas manifestações, que é quase um Carnaval, mais ou menos, permanente e não tem havido grandes desastres», declarou o empresário, sobre os protestos ocorridos nos últimos tempos em Portugal, acrescentando: «Enquanto o povo se manifesta, a gente pode dormir mais descansada. O pior é quando não se manifesta».

No fim da sessão, questionado sobre as manifestações, Belmiro de Azevedo disse que preferia se o Governo «não jogasse o jogo dos protestantes», uma vez que estes «têm palco permanentemente», um «espetáculo» prolongado por cada aparição de um ministro.

Belmiro de Azevedo, que fez 75 anos recentemente, reconheceu estar «cada vez mais inconformado», mas ressalvou: «Estar conformado é capaz de ser pior».

Partilhar
EM BAIXO: Belmiro de Azevedo
Belmiro de Azevedo

«Decisão de dar prioridade aos submarinos foi do Governo de Cavaco»
António Vitorino, ministro da Defesa entre 1995 e 1997, admite que submarinos são uma «arma estratégica importante» e garante que nunca optou pela compra de novos em vez de usados
«Um dia fazem um hospital em Lisboa e espalham ambulâncias pelo país»
Centenas em vigília contra fecho das urgências de Valongo
Costa: «Quem ganha por poucochinho é capaz de poucochinho»
Autarca de Lisboa pediu «elevação» no debate político interno no PS para que não se abram «feridas que amanhã sejam difíceis de sarar»
EM MANCHETE
Guiné Equatorial aceite na CPLP
País entrou por consenso sem que tenha havido uma votação. Teodoro Obiang deve explicar os passos já dados e previstos para cumprir as condições de adesão
Ana Gomes chocada com adesão da Guiné Equatorial
Portugal com défice de 5,1% do PIB até março