Throttleman e Red Oak vão ser declaradas insolventes

Decisão do Tribunal de Santo Tirso está por dias, segundo o administrador de insolvência

Por: tvi24 / DC    |   19 de Fevereiro às 16:10
As marcas portuguesas de vestuário Throttleman e Red Oak serão em breve declaradas insolventes pelo Tribunal de Santo Tirso, na sequência do pedido recentemente apresentado pelo administrador de insolvência.

Em declarações à agência Lusa, o administrador judicial Luís Gomes disse ter avançado com o pedido de insolvência das duas marcas há cerca de duas semanas, depois de a administração da Brasopi (que detém as marcas) lhe ter comunicado ser insustentável manter a empresa em atividade.

«Agora há que aguardar, mas é meramente uma formalidade, a insolvência vai ser confirmada», disse.

Segundo explicou, os planos de recuperação da Throttleman e da Red Oak tinham sido aprovados há um ano por uma «larga maioria» dos credores, mas um recurso interposto no Tribunal da Relação pela Fazenda Pública impediu a sua homologação.

De acordo com Luís Gomes, a empresa recorreu desta decisão para uma instância superior, que ainda não se pronunciou, sendo este «compasso de espera incompatível» com a manutenção da atividade.

«A empresa disse-me que não aguentava mais e, nos termos do código [de insolvência e recuperação de empresas], tive que requerer a insolvência», afirmou.

Segundo explicou, será agora uma questão de dias até que o processo transite da Relação para o Tribunal de Santo Tirso e seja declarada a insolvência.

Controladas pelos mesmos acionistas, as marcas de vestuário Throttleman e Red Oak apresentaram em 2012 um pedido de Processo Especial de Revitalização (PER) na tentativa de evitar a falência.

Com um passivo que, no início do ano passado, rondava os 20 a 30 milhões de euros, as marcas tinham como principais credores o BES (que, juntamente com outros bancos, representava 50% dos créditos), seguido do Estado e da Segurança Social (com 16% dos créditos) e de diversos fornecedores e centros comerciais.

O plano de recuperação então aprovado implicava «uma reestruturação da dimensão» das marcas, conforme revelou então à Lusa o administrador judicial, o que passaria pelo encerramento de lojas em determinados locais e pela abertura noutros, mais rentáveis.

Já assumido na altura era que seria necessária «alguma diminuição do volume de negócios» das marcas que, no caso da Throttleman, chegou, em 2009, a atingir os 17 milhões de euros, de forma a ajustá-lo ao atual «ambiente recessivo».

Com uma rede de cerca de 50 lojas em Portugal, além de representações no El Corte Inglês e em espaços comerciais multimarca, a Throttleman é uma marca portuguesa de vestuário para homem, senhora e criança que está no mercado desde 1991.

Em finais do 2012, a marca anunciou a entrada em Angola, com a abertura de uma loja em Luanda, tendo então a Hozar (sociedade que detém maioritariamente a Throttleman, via a empresa Brasopi, e uma participação na Red Oak) anunciado um plano de internacionalização para Angola que previa a abertura de 10 lojas nos próximos dois anos.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Justiça
Justiça

COMENTÁRIOS

PUB
BCP deverá chumbar nos testes de stress

O banco BCP, liderado por Nuno Amado, vai chumbar nos testes de stress, realizados pelo BCE e pela Autoridade Bancária Europeia, sabe a TVI. Para além do BCP, são analisados em Portugal o BPI e a CGD, uma vez que os testes ao Novo Banco foram adiados e ainda não têm data de divulgação