logotipo tvi24

Throttleman e Red Oak vão ser declaradas insolventes

Decisão do Tribunal de Santo Tirso está por dias, segundo o administrador de insolvência

Por: tvi24 / DC    |   2014-02-19 16:10

As marcas portuguesas de vestuário Throttleman e Red Oak serão em breve declaradas insolventes pelo Tribunal de Santo Tirso, na sequência do pedido recentemente apresentado pelo administrador de insolvência.

Em declarações à agência Lusa, o administrador judicial Luís Gomes disse ter avançado com o pedido de insolvência das duas marcas há cerca de duas semanas, depois de a administração da Brasopi (que detém as marcas) lhe ter comunicado ser insustentável manter a empresa em atividade.
«Agora há que aguardar, mas é meramente uma formalidade, a insolvência vai ser confirmada», disse.

Segundo explicou, os planos de recuperação da Throttleman e da Red Oak tinham sido aprovados há um ano por uma «larga maioria» dos credores, mas um recurso interposto no Tribunal da Relação pela Fazenda Pública impediu a sua homologação.

De acordo com Luís Gomes, a empresa recorreu desta decisão para uma instância superior, que ainda não se pronunciou, sendo este «compasso de espera incompatível» com a manutenção da atividade.

«A empresa disse-me que não aguentava mais e, nos termos do código [de insolvência e recuperação de empresas], tive que requerer a insolvência», afirmou.

Segundo explicou, será agora uma questão de dias até que o processo transite da Relação para o Tribunal de Santo Tirso e seja declarada a insolvência.

Controladas pelos mesmos acionistas, as marcas de vestuário Throttleman e Red Oak apresentaram em 2012 um pedido de Processo Especial de Revitalização (PER) na tentativa de evitar a falência.

Com um passivo que, no início do ano passado, rondava os 20 a 30 milhões de euros, as marcas tinham como principais credores o BES (que, juntamente com outros bancos, representava 50% dos créditos), seguido do Estado e da Segurança Social (com 16% dos créditos) e de diversos fornecedores e centros comerciais.

O plano de recuperação então aprovado implicava «uma reestruturação da dimensão» das marcas, conforme revelou então à Lusa o administrador judicial, o que passaria pelo encerramento de lojas em determinados locais e pela abertura noutros, mais rentáveis.

Já assumido na altura era que seria necessária «alguma diminuição do volume de negócios» das marcas que, no caso da Throttleman, chegou, em 2009, a atingir os 17 milhões de euros, de forma a ajustá-lo ao atual «ambiente recessivo».

Com uma rede de cerca de 50 lojas em Portugal, além de representações no El Corte Inglês e em espaços comerciais multimarca, a Throttleman é uma marca portuguesa de vestuário para homem, senhora e criança que está no mercado desde 1991.

Em finais do 2012, a marca anunciou a entrada em Angola, com a abertura de uma loja em Luanda, tendo então a Hozar (sociedade que detém maioritariamente a Throttleman, via a empresa Brasopi, e uma participação na Red Oak) anunciado um plano de internacionalização para Angola que previa a abertura de 10 lojas nos próximos dois anos.

Partilhar
EM BAIXO: Justiça
Justiça

Lucro da Jerónimo Martins cai para 145 milhões
Resultados referem-se aos primeiros 6 meses do ano
MP arquiva processo contra Ricciardi em compra de ações da EDP
Presidente do BESI tinha sido constituido arguido em 2013
BES acumulou perdas de 2,8 mil milhões desde saída de Salgado
AG de 31 de julho foi desconvocada esta terça-feira
EM MANCHETE
BES desconvoca Assembleia Geral de Acionistas
Ações caem mais de 12% após anúncio. Legitimação da equipa de Vítor Bento não está em causa. Banco deve acumular prejuízos de 3 mil milhões de euros
Portugal suspende representação diplomática na Líbia
PS: mais de 21mil simpatizantes já se inscreveram online