logotipo tvi24

BMW recolhe mais de 220 mil carros com defeitos no airbag

Defeitos encontram-se nos «airbags» do passageiro da frente, instalados em veículos do modelo da série 3

Por: Redacção / CPS    |   2013-05-08 10:36

A BMW recolheu 220 mil veículos para revisão, por suspeita de defeitos no «airbag», produzido pelo mesmo fabricante japonês que levou recentemente a Toyota, Nissan, Honda e Mazda a reunir mais de três milhões de veículos.

O porta-voz da BMW, Bernhard Santer, confirmou que foram detetados defeitos nos «airbags» do passageiro da frente, instalados em veículos do modelo da série 3, entre dezembro de 2001 e março de 2003.

Há cerca de um mês, um problema com o «airbag», produzido pela empresa japonesa Takata, entre 2000 e 2004, levou a Toyota, Nissan, Honda e Mazda a recolher mais de três milhões de automóveis para resolver o alegado defeito nessa componente.

A BMW explicou que tomou conhecimento dos referidos problemas com atraso e, por isso, reagiu mais tarde do que as restantes produtores de automóveis.

«Quatro produtores submeteram relatórios ao Governo salientando que irão chamar os proprietários de 731.000 carros face a problemas no «airbag», explicou o Ministério japonês dos Transportes, em abril.

O problema, nas marcas Toyota, Nissan, Honda e Mazda, é proveniente do 'airbag' do passageiro da frente, fabricado pela empresa japonesa Takata e utilizado nos veículos produzidos entre 2000 e 2004.

«O airbag do passageiro pode ter um defeito no conjunto do sistema de acionamento que, em caso de acidente, pode não funcionar corretamente», disse então um porta-voz da Toyota à AFP em Tóquio.

Partilhar

Gás botija: estudo sugere venda de marcas brancas em «hipers»
Entidade Nacional do Mercado de Combustíveis aponta modelo seguido em França
FMI vai realizar visitas semestrais a Portugal até 2021
Fundo Monetário Internacional esclareceu que vai entrar num processo de monitorização pós programa de assistência
BPI passa de lucro a prejuízo no primeiro trimestre
Banco teve um prejuízo de 104,8 milhões de euros