BMW recolhe mais de 220 mil carros com defeitos no airbag

Defeitos encontram-se nos «airbags» do passageiro da frente, instalados em veículos do modelo da série 3

Por: Redação / CPS    |   8 de Maio de 2013 às 10:36
A BMW recolheu 220 mil veículos para revisão, por suspeita de defeitos no «airbag», produzido pelo mesmo fabricante japonês que levou recentemente a Toyota, Nissan, Honda e Mazda a reunir mais de três milhões de veículos.

O porta-voz da BMW, Bernhard Santer, confirmou que foram detetados defeitos nos «airbags» do passageiro da frente, instalados em veículos do modelo da série 3, entre dezembro de 2001 e março de 2003.

Há cerca de um mês, um problema com o «airbag», produzido pela empresa japonesa Takata, entre 2000 e 2004, levou a Toyota, Nissan, Honda e Mazda a recolher mais de três milhões de automóveis para resolver o alegado defeito nessa componente.

A BMW explicou que tomou conhecimento dos referidos problemas com atraso e, por isso, reagiu mais tarde do que as restantes produtores de automóveis.

«Quatro produtores submeteram relatórios ao Governo salientando que irão chamar os proprietários de 731.000 carros face a problemas no «airbag», explicou o Ministério japonês dos Transportes, em abril.

O problema, nas marcas Toyota, Nissan, Honda e Mazda, é proveniente do 'airbag' do passageiro da frente, fabricado pela empresa japonesa Takata e utilizado nos veículos produzidos entre 2000 e 2004.

«O airbag do passageiro pode ter um defeito no conjunto do sistema de acionamento que, em caso de acidente, pode não funcionar corretamente», disse então um porta-voz da Toyota à AFP em Tóquio.
Partilhar
COMENTÁRIOS

PUB
Casal português no Estado Islâmico, mas porquê?

Reportagem da TVI foi perceber as possíveis motivações de Ângela e Fábio, dois portugueses que, com outros 10, se juntaram ao Estado Islâmico. Ela vivia na Holanda, onde a TVI esteve, para mergulhar no passado e melhor compreender a decisão de se converter ao Islão. EUA já admitem que Estado Islâmico foi subestimado. Portugal apoia coligação internacional contra os rebeldes, mas não envia militares