A melhor opção para os portugueses competentes é emigrar, disse esta terça-feira o presidente do banco BIC, Luís Mira Amaral.

«Já está a acontecer com as empresas que tem operações na Polónia, nos Brasil, em Moçambique, os funcionários mais novos e com mais capacidade dizem « vejam lá se me arranjam lugar aí, que com esta carga fiscal não aguento», disse Mira Amaral, durante a conferência «Finanças Públicas e a Pressão sobre a Economia», na sede da Ordem dos Engenheiros.

«O melhor que os portugueses competentes [com menos 40 anos] têm para fazer é votar com os pés [emigrar]», afirmou o antigo ministro da Indústria dos governos de Cavaco Silva.

Mira Amaral acrescentou que a consolidação orçamental é «um ajustamento de má qualidade», em que «80% é do lado da receita»: «Mesmo o corte na despesa é sobretudo nos vencimentos de funcionários e pensionistas, e apenas um terço é cortes estruturais da despesa».

O reequilíbrio das contas públicas, disse ainda Mira Amaral, «é um equilíbrio manhoso, sem sustentabilidade, a meu ver».

O presidente do banco BIC rejeita contudo a ideia de que foram «políticas neoliberais» a gerar a crise, de que «foram a sra. Merkel e a troika que estragaram isto tudo»: «Isso é ver ao contrário, isto já estava estragado».